O seu modelo de negócios é disruptivo?

Nos DICAS DE GESTÃO 26, 28 e 35 abordamos o tema modelo de negócios. Já no DG 39 tratamos das estratégias disruptivas. Que tal agora conversarmos um pouco sobre modelos de negócios disruptivos?

Provavelmente você já ouviu falar do Nubank, Spotify, Uber, Netflix, e Airbnb nos segmentos de cartão de crédito, músicas, transporte de passageiros, filmes e hospedagem.

O Nubank é uma startup brasileira que emite e gerencia um cartão de crédito que não cobra anuidades ou tarifas. A empresa consegue oferecer essa economia a seus clientes ao utilizar canais 100% digitais.

Spotify é um serviço de música digital que possibilita acesso a milhões de músicas. O serviço investe em inteligência artificial para melhorar as indicações de músicas a seus usuários. A tecnologia da inteligência artificial pode compreender melhor o perfil de cada cliente e por isso é capaz de realizar melhores escolhas e indicações.

O Uber é um aplicativo para dispositivos móveis, disponibilizado por uma multinacional norte-americana, que coloca os usuários em contato direto com os automóveis de passageiros com condutor. O principal diferencial competitivo deste serviço de transporte de passageiros é a geolocalização dos celulares dos clientes.

O Netflix é um dos maiores serviços de streaming (tecnologia que envia informações multimídia) de vídeos do mundo. Atualmente, o serviço possui um catálogo de milhares de filmes e séries de TV que podem ser acessados por intermédio de diversas plataformas, como notebooks, tablets, smartphones, videogames, e claro, pela TV.

O Airbnb é um site que possibilita a comunicação entre viajantes do mundo inteiro e proprietários de imóveis. O principal diferencial do serviço é a gama de opções, mesmo com pouco dinheiro você pode conseguir um lugar para se hospedar.

Já parou para pensar o que esses negócios têm em comum?

Eles tem em comum um modelo de negócios disruptivo.

Como vimos em semanas anteriores um modelo de negócios descreve como se dá a entrega de valor para os públicos da companhia sejam eles acionistas, clientes ou demais partes interessadas. O modelo de negócio está relacionado, portanto, à estratégia da empresa, como é formado o preço que ela vai ofertar no mercado, que segmento de clientes vai focar e que canal vai utilizar.

Um modelo de negócios disruptivo é aquele que mexe com a concorrência tornando-a irrelevante e que deixa ultrapassado tudo que se conhecia até então nesses negócios.

Modelos de negócios disruptivos estão, como vimos nos exemplos anteriormente mencionados, normalmente ancorados em tecnologias inovadoras oferecendo ambientes financeiros inéditos, seguros, mais acessíveis e globais, além de melhorar, transformar, tornar mais próximos e transparentes antigos negócios que se encontravam estagnados há décadas.

Ao analisar os negócios disruptivos é fácil constatar que as empresas de tecnologia têm reconfigurado setores tradicionais da economia. Os chamados ‘negócios disruptivos’, que oferecem produtos ou serviços inovadores, são empreendimentos ou ideias que levam benefícios ao consumidor e que têm a capacidade de transformar o mercado do qual fazem parte.

Um aplicativo usado para chamar motoristas particulares ou para alugar quartos sem depender de hotéis e até para bancos que não dependem de agências físicas para se relacionar com os clientes são, como vimos, alguns exemplos de negócios disruptivos.

São negócios que estão alterando a realidade seja trazendo uma nova forma de se fazer negócio, algum tipo de processo, de transação, ou então identificando um novo mercado. Algo que não existia anteriormente, mas que vai ser incorporado ao cotidiano naquele mercado.

Outros exemplos de tecnologias que vão gerar negócios disruptivos são os mecanismos de busca na internet ou os smartphones com tela sensível ao toque, que criaram mercados novos. São ideias que alteram a realidade já existente como, por exemplo, o aplicativo de motoristas particulares que provoca protestos de taxistas em todo o mundo.

Se a inovação agrega valor e trazer comodidade, bem estar e satisfação, se é algo que  traz benefício para as pessoas, o mercado não vai esperar para quando a legislação  estiver pronta. Se já existe a solução, o mercado vai querer utilizá-la o quanto antes.

Esse movimento vem acontecendo há algum tempo. Já existem as startups de serviços financeiros, que têm o poder de tornar os bancos obsoletos, e o aplicativo de aluguéis de imóveis, que interferem nas imobiliárias. A disrupção existe desde sempre. O que está mudando é a velocidade com que ela está ocorrendo.

O aplicativo de locação de veículos é um exemplo de negócio disruptivo. O APP  (aplicativo) permite que uma pessoa alugue o próprio carro. É uma ideia diferente e que tem potencial para mexer com o mercado. É um negócio disruptivo, mas centrado nas premissas da  economia colaborativa.

Na locação de carros, saem as locadoras e entra uma plataforma digital que conecta o dono de um veículo com a pessoa interessada em alugar um automóvel. O dono faz um anúncio, coloca fotos e dados do veículo e decide quanto quer cobrar.

A plataforma se aproveitou de uma nova realidade que ajuda a disrupção, ou seja, a mudar um mercado. As gerações mais novas têm uma relação diferente com o consumo. Nas décadas de 70, 80 e 90 o carro era quase um ente da família, um símbolo de status e poder. Essas gerações mais novas passaram a entender o carro mais como um serviço.

Hoje, há muito mais pessoas dispostas a fazer parte da chamada economia colaborativa. Essa é a grande premissa desses aplicativos. A negociação acaba ficando entre as pessoas.

E temos mais novidades nesse campo. Negócios com potencial para serem disruptivos Os Bitcoins moeda que funciona na internet sem a regulação de autoridades financeiras. O Tesla carro totalmente elétrico com autonomia de 400 Km e os veículos autônomos: carros autoguiados que até 2020 estarão à venda e os drones na entrega de encomendas.

Como desenvolver modelos de negócios disruptivos?

Duas dicas: preste atenção na evolução da tecnologia e no comportamento do consumidor.

Como as empresas estabelecidas prezam pela segurança e são normalmente conservadoras é bem provável que os modelos de negócios disruptivos do futuro venham a partir de novos entrantes no mercado.

Quem sabe um desses entrantes seja você!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s