Benchmarking: aprendendo com as melhores práticas

Uma das formas de desenvolver uma empresa é estudar e aprender com as melhores práticas de outras organizações.

A metodologia que propicia esse aprendizado, por meio de um processo de comparação de processos, produtos, serviços e práticas empresariais, é o Benchmarking.

O Benchmarking pode ser conceituado como uma metodologia aplicável na gestão das empresas que utiliza uma abordagem sistemática para medir e estudar, em profundidade, o desempenho de uma empresa em relação às melhores práticas independente do setor onde essas melhores práticas ocorram. Muitas vezes o aprendizado pode vir de um segmento completamente diferente do qual faz parte a empresa que aplica a metodologia.

Uma dúvida que por vezes ocorre é sobre a diferença entre benchmarking e benchmark.

Benchmarking é, como vimos, o processo de identificar as empresas que podem ser consideradas referenciais de excelência em alguma prática e estudar o que as tornou boas nesta prática. Consiste, portanto, em uma análise aprofundada das melhores práticas utilizadas por empresas do mesmo setor ou de setores diferentes do da empresa que realizou o estudo e que podem ser replicados pela empresa que desenvolveu o estudo. Já benchmark, por sua vez, é a empresa que é utilizada como referencial de comparação para o desenvolvimento do estudo de benchmarking.

Essa metodologia foi desenvolvida na década de 80 a partir da constatação de que as empresas ocidentais estavam sendo superadas por empresas asiáticas em algumas operações.

Um dos pioneiros no estudo da metodologia foi Robert Camp. Ele propôs 4 etapas em um estudo de benchmarking: planejamento, análise, integração e ações.

A etapa de planejamento é responsável por identificar que práticas necessitam de um estudo de benchmarking, em seguida identificar as empresas que, pelo seu desempenho, podem servir como fonte de comparação e finalmente estabelecer métodos para a realização da coleta de dados.

A etapa de análise é responsável por determinar o gap competitivo atual e projetar níveis de desempenho almejados.

A terceira etapa chamada de integração tem por finalidade comunicar os resultados do benchmarking e estabelecer metas funcionais.

A última etapa, ações, procura estabelecer planos de ação para implementar o resultado do aprendizado, acompanhar o progresso obtido e refinar o processo de comparação.

Entre os principais benefícios do desenvolvimento de um estudo de benchmarking pode-se mencionar:

  • Propicia um melhor conhecimento da empresa sobre si mesma;
  • Refina os processos e as práticas empresariais;
  • Motiva os colaboradores por meio de um processo de aprendizado contínuo;
  • Redução de custos e aumento na produtividade

Existem diversos tipos de benchmarking.

No benchmarking interno procura-se identificar as melhores práticas dentro da própria organização para que elas possam ser compartilhadas com outros setores/áreas.

No benchmarking competitivo o foco são outras empresas que podem ser consideradas referenciais de excelência no setor de atuação da empresa que realiza o estudo.

No benchmarking funcional a comparação recai sobre o processo de trabalho entre as organizações e a comparação pode ser realizada inclusive em empresas de diferentes setores.

Finalmente no benchmarking de colaboração duas empresas estabelecem uma cooperação para o desenvolvimento do estudo de benchmarking e os resultados alcançados são compartilhados por ambas as empresas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s